Make your own free website on Tripod.com
Linho Fino - Estudos Biblicos
NOCÕES DE INICIAÇÃO DO ESTUDO BÍBLICO
Home
Estudo sobre Apocalipse
NOCÕES DE INICIAÇÃO DO ESTUDO BÍBLICO
LER A BÍBLIA EM 365 DIAS.
JESUS É O MESSIAS
COMUNICAÇÃO NO CASAMENTO
ENCONTRO DE CASAIS
O EVANGELHO
COMO DEUS FALA HOJE?
Nossa Nova Posição em Jesus
A HISTÓRIA DA IGREJA
O QUE DIZ A BIBLIA SOBRE COMUNICAÇÃO NO LAR
NAMORAR É MUITO BOM!!!
CASANDO-SE COM O SISTEMA
AS PRESSÕES DA MÍDIA SOBRE A MULHER
A MÃE DO TIPO DE DEUS
A PARÁBOLA DO ARREPENDIMENTO
O TEMOR DE PAULO
MAÇONARIA
HAVERÁ CRIANÇAS NO INFERNO?
O VALE DOS OSSOS SECOS
O REINO ETERNO
A JUSTIÇA NO REINO DE DEUS
BELEZA ESPIRITUAL
MINISTRAÇÃO DE LOUVOR NO CULTO
CRISE DE SANTIDADE
DEPOIMENTO BÍBLICO
NAMORAR OU FICAR
REALIDADES DA NOVA CRIAÇÃO
COM JESUS NO BARCO
O PODER DA ESPERANÇA EM CRISTO
O PODER DO EVANGELHO
O PODER DA INTERCESSÃO
O QUE DIZ O NOVO TESTAMENTO SOBRE O DIVÓRCIO?
A IGREJA E A AIDS
ASTROLOGIA
NÃO É POSSÍVEL EVITAR JERUSALEM
AS PROFECIAS SOBRE O MESSIAS DE DEUS
JESUS E O CEMITÉRIO
A BÍBLIA E SUAS ORIGENS
O TABERNÁCULO DE MOISÉS
A VIOLÊNCIA E SUAS ORIGENS

Você Sabia?

O nome "Bíblia" vem do grego "Biblos", nome da casca de um papiro do século XI a.C.. Os primeiros a usar a palavra "Bíblia" para designar as Escrituras Sagradas foram os discípulos do Cristo, no século II d.C.;

Ao comparar as diferentes cópias do texto da Bíblia entre si e com os originais disponíveis, menos de 1% do texto apresentou dúvidas ou variações, portanto, 99% do texto da Bíblia é puro. Vale lembrar que o mesmo método (crítica textual) é usado para avaliar outros documentos históricos, como a Ilíada de Homero, por exemplo;

É o livro mais vendido do mundo. Estima-se que foram vendidos 11 milhões de exemplares na versão integral, 12 milhões de Novos Testamentos e ainda 400 milhões de brochuras com extratos dos textos originais;

Foi a primeira obra impressa por Gutenberg, em seu recém inventado prelo manual, que dispensava as cópias manuscritas;

A divisão em capítulos foi introduzida pelo professor universitário parisiense Stephen Langton, em 1227, que viria a ser eleito bispo de Cantuária pouco tempo depois. A divisão em versículos foi introduzida em 1551, pelo impressor parisiense Robert Stephanus. Ambas as divisões tinham por objetivo facilitar a consulta e as citações bíblicas, e foi aceita por todos, incluindo os judeus;

Foi escrita e reproduzida em diversos materiais, de acordo com a época e cultura das regiões, utilizando tábuas de barro, peles, papiro e até mesmo cacos de cerâmica;

Com exceção de alguns textos do livro de Ester e de Daniel, os textos originais do Antigo Testamento foram escritos em hebraico, uma língua da família das línguas semíticas, caracterizada pela predominância de consoantes;

A palavra "Hebraico" vem de "Hebrom", região de Canaã que foi habitada pelo patriarca Abraão em sua peregrinação, vindo da terra de Ur;

Os 39 livros que compõem o Antigo Testamento (sem a inclusão dos apócrifos) estavam compilados desde cerca de 400 a.C., sendo aceitos pelo cânon Judaico, e também pelos Protestantes, Católicos Ortodoxos, Igreja Católica Russa, e parte da Igreja Católica tradicional;

A primeira Bíblia em português foi impressa em 1748. A tradução foi feita a partir da Vulgata Latina e iniciou-se com D. Diniz (1279-1325).

 

 
Abreviaturas

Em índices e citações bíblicas, é comum o uso de abreviaturas para se referir aos Textos. Um dos formatos convencionados segue o padrão abaixo:

Os dois pontos (:) separam o capítulo dos versos;

O hífen (-) indica uma faixa contínua de versos;

A vírgula (,) indica uma seqüência não contínua de versos;

O ponto-e-vírgula (;) inicia um novo capítulo do mesmo livro ou não, se seguido de nova abreviação.

Gn 3:2-5 = Gênesis, capítulo 3, versículos 2 a 5.

Lv 1:3,6;2:2-4 = Levítico, capítulo 1, versículos 3 e 6, capítulo 2, versículos 2 a 4.

Mt 1-12;Ap 2:1-7 = Mateus, capítulos 1 a 12, Apocalipse, capítulo 2, versículos 1 a 7.

Antigo Testamento

Gênesis - Gn

Êxodo - Ex

Levítico - Lv

Números - Nm

Deuteronômio - Dt

Josué - Js

Juízes - Jz

Rute - Rt

I Samuel - I Sm

II Samuel - II Sm

I Reis - I Rs

II Reis - II Rs

I Crônicas - I Cr

II Crônicas - II Cr

Esdras - Ed

Neemias - Ne

Ester - Et

Jó - Jó

Salmos - Sl

Provérbios - Pv

Eclesiastes - Ec

O Cântico dos Cânticos - Ct

Isaías - Is

Jeremias - Jr

Lamentações - Lm

Ezequiel - Ez

Daniel - Dn

Oséias - Os

Joel - Jl

Amós - Am

Obadias - Ob

Jonas - Jn

Miquéias - Mq

Naum - Na

Habacuque - Hc

Sofonias - Sf

Ageu - Ag

Zacarias - Zc

Malaquias - Ml

Novo Testamento

Mateus - Mt

Marcos - Mc

Lucas - Lc

João - Jo

Atos dos Apóstolos - At

Romanos - Rm

I Coríntios - I Co

II Coríntios - II Co

Gálatas - Gl

Efésios - Ef

Filipenses - Fp

Colossenses - Cl

I Tessalonicenses - I Ts

II Tessalonicenses - II Ts

I Timóteo - I Tm

II Timóteo - II Tm

Tito - Tt

Filemon - Fm

Hebreus - Hb

Tiago - Tg

I Pedro - I Pe

II Pedro - II Pe

I João - I Jo

II João - II Jo

III João - III Jo

Judas - Jd

Apocalipse (Revelação) - Ap

 

Livros do Antigo Testamento

A Lei (Torá ou Pentateuco)

Gênesis

Êxodo

Levítico

Números

Deuteronômio

Livros Poéticos

Salmos

Provérbios

Eclesiastes

O Cântico dos Cânticos

Livros Históricos

Josué

Juízes

Rute

I Samuel

II Samuel

I Reis

II Reis

I Crônicas

II Crônicas

Esdras

Neemias

Ester

Profetas

A - Maiores

Isaías

Jeremias

Lamentações

Ezequiel

Daniel

B - Menores

Oséias

Joel

Amós

Obadias

Jonas

Miquéias

Naum

Habacuque

Sofonias

Ageu

Zacarias

Malaquias

Divisão Hebraica dos Escritos Sagrados

A Lei (Torá ou Pentateuco)

Gênesis

Êxodo

Levítico

Números

Deuteronômio

Os Profetas (Nebhiim)

A - Anteriores

Josué

Juízes

Samuel

Reis

B - Posteriores

Isaías

Jeremias

Ezequiel

Os Doze

Os Escribas (Ketubhim)

A - Livros Proféticos

Salmos

Provérbios

B - Cinco rolos (Megilloth)

O Cântico dos Cânticos

Rute

Lamentações

Ester

Eclesiastes

C - Livros históricos

Daniel

Esdras - Neemias

Crônicas

Livros do Novo Testamento

Evangelhos

Mateus

Marcos

Lucas

João

Livro Histórico

Atos dos Apóstolos

Cartas (Epístolas )

Romanos

I Coríntios

II Coríntios

Gálatas

Efésios

Filipenses

Colossenses

I Tessalonicenses

II Tessalonicenses

I Timóteo

II Timóteo

Tito

Filemon

Hebreus

Tiago

I Pedro

II Pedro

I João

II João

III João

Judas

Livro Profético

Apocalipse (Revelação)

 

 

A Septuaginta

Os líderes do judaísmo em Alexandria foram responsáveis por uma tradução do Antigo Testamento hebraico para o grego, que integraria a Biblioteca de Alexandria, e foi chamada de Septuaginta (LXX), que significa setenta. Esta tradução já estava concluída em 150 a.C. e foi feita por eruditos judeus e gregos, provavelmente para o uso dos judeus alexandrinos. Assim que a igreja primitiva passou a utilizar a Septuaginta como Antigo Testamento, a comunidade judaica perdeu o interesse em sua preservação. Esta versão teve um papel muito importante para o estudo e divulgação do Antigo Testamento em outras línguas, já que os textos hebraicos apresentam grande dificuldade de compreensão.

Outras versões surgiram após a Septuaginta, devido à oposição do cânon judaico a esta tradução. São elas:

A versão de Áquila (130 a 150 d.C.) - manteve o padrão de pensamento e as estruturas de linguagem hebraicas, tornando-se uma das versões mais utilizadas pelos judeus;

A revisão de Teodócio (150 a 185 d.C.) - revisão de uma versão anterior - a LXX ou a de Áquila

A revisão de Símaco (185 a 200 d.C.) - preocupou-se com o sentido da tradução, e não com a exatidão textual. Exerceu grande influência sobre a Bíblia latina, pois Jerônimo fez grande uso desse autor para compor a Vulgata Latina;

Os Héxapla de Orígenes (240 a 250 d.C.) - promoveu-se uma visão comparativa dos textos hebraicos com a tradução dos LXX, de Áquila, de Teodócio e de Símaco, procurando harmonizar os textos em busca de uma tradução fiel do hebraico;

Uma edição do texto hebraico, por volta de 100 d.C., veio a estabelecer o texto massorético.

A Vulgata Latina

Sendo o grego, considerado pela Igreja como a língua do Espírito Santo, o latim assumiu o papel de língua popular imposta pelos soldados nas conquistas romanas, motivo pelo qual a Bíblia latina recebeu o nome de Vulgata.

Os Textos Massoréticos

Alguns sábios judeus, chamados massoretas, iniciaram, entre os séculos VI a X d.C., um trabalho de padronização dos textos hebraicos do Antigo Testamento. Estes textos, como se sabe, foram escritos praticamente sem vogais. No trabalho de padronização, foram inseridas as vogais nos textos originais, o que contribuiu para o desaparecimento dos mesmos.

Os Manuscritos do Mar Morto

Foram encontrados casualmente em uma gruta, nas encostas rochosas da região do Mar Morto, na região de Jericó, em março de 1947, por um pastor beduíno que buscava uma cabra perdida de seu rebanho. São jarros contendo manuscritos de inúmeros documentos dos Escritos Sagrados de uma seita judaica que existiu na época de Jesus, os Essênios. Várias outras grutas foram encontradas após este achado, com muitos outros documentos.

Os Manuscritos ou Documentos do Mar Morto tiveram grande impacto na visão da Bíblia, pois fornecem espantosa confirmação da fidelidade dos textos massoréticos aos originais. O estudo da cerâmica dos jarros e a datação por carbono 14 estabelece que os documentos foram produzidos entre 168 a.C. e 233 d.C. Destacam-se, nestes documentos, textos do profeta Isaías, fragmentos de um texto do profeta Samuel, textos de profetas menores, parte do livro de Levítico e um targum (paráfrase) de Jó.

Os Textos Massoréticos

Alguns sábios judeus, chamados massoretas, iniciaram, entre os séculos VI a X d.C., um trabalho de padronização dos textos hebraicos do Antigo Testamento. Estes textos, como se sabe, foram escritos praticamente sem vogais. No trabalho de padronização, foram inseridas as vogais nos textos originais, o que contribuiu para o desaparecimento dos mesmos.

 

Língua e manuscritos do Novo Testamento

Os escritos do Novo Testamento se utilizaram do grego coiné (comercial), amplamente conhecido e utilizado no século I, como conseqüência do império de Alexandre, o Grande. Esse idioma possuía muitos recursos lingüísticos e precisão técnica, não encontrados no hebraico, o que permitiu uma maior e mais rápida propagação dos textos entre os povos (assim como o inglês moderno, nos tempos atuais). O grego chegou a ser considerado pela Igreja Católica como a língua do Espírito Santo.

Principais manuscritos

O Novo Testamento tem como característica principal uma imensa quantidade de escritos e evidências externas. Alguns manuscritos, entretanto, merecem destaque. São eles:

Os papiros - produzidos quando o movimento iniciado pelos discípulos de Jesus ainda era ilegal. Datam dos séculos II e III d.C. e constituem valioso testemunho da veracidade do Novo Testamento, pois surgiram a apenas uma geração dos autógrafos originais. Seus representantes mais importantes são:

p52 ou fragmento de John Rylands (117 - 118 d.C.) - encontrado no Egito, contendo parte do Evangelho de João;

p45, p46 e p47 ou Papiros Chester Beaty (250 d.C.) - contendo quase todo o Novo Testamento (o p45 contém os Evangelhos e o livro de Atos dos Apóstolos; o p46, a maior parte das cartas de Paulo; e o p47, parte do Apocalipse);

p66, p72 e p75 ou Papiros de Bodmer (175 - 225 d.C.) - igualmente importantes, incluindo-se entre eles Unciais cuidadosamente impressos e com muita clareza (o p66 contém parte do Evangelho de João e data do ano 200; o fragmento p72 contém cópias de Judas e de I e II Pedro; e o p75 contém a mais antiga cópia do Evangelho de Lucas (175 a.C.).

Os Unciais - manuscritos em caracteres maiúsculos, escritos em velino e pergaminho. Constituem os escritos mais importantes do Novo Testamento, dos séculos III a V. Existem cerca de 297 Unciais, entre eles:

Códice Vaticano - é o mais antigo dos Unciais (325 - 350 d.C.) e foi desconhecido dos estudiosos bíblicos até 1475, quando foi catalogado na biblioteca do Vaticano; contém a maior parte do Antigo Testamento (versão dos LXX) com os apócrifos e o Novo Testamento em grego;

Códice Sinaítico (Álefe) - data do século IV e possui poucas omissões;

Códice Efraimita - originou-se em Alexandria, no Egito, em cerca de 345 d.C.;

Códice Alexandrino - data do século V;

Códice Beza ou Cambridge - cerca de 500 d.C.; é o manuscrito bilíngüe mais antigo do Novo Testamento. Foi escrito em grego e latim;

Os Minúsculos - documentos escritos em caracteres minúsculos que datam dos séculos IX ao XV, somando mais de 4000 documentos, entre manuscritos e lecionários (livros muito utilizados nos cultos da Igreja, que continham textos selecionados da Bíblia para leitura, incluindo o Novo Testamento).

Comprovando a veracidade do Novo Testamento

Os manuscritos originais (autógrafos) não existem mais, e foram reconstituídos a partir de cópias produzidas pelos primeiros pais da Igreja primitiva, ainda sem denominação. Também foram utilizados nesta reconstituição os livros apócrifos, documentos não bíblicos e comentários documentais dos mesmos pais da Igreja que produziram as cópias. Os originais desapareceram principalmente devido à fragilidade do material utilizado para escrever os livros, e pela ilegalidade do movimento, em seu início, o que implicava em perseguição à Igreja.

A veracidade dos escritos, no entanto, pode ser comprovada historicamente pelos motivos abaixo:

Os Escritos de Marcos datam de 50 a 70 d.C.;

Vários papiros contendo fragmentos do Evangelho de João foram encontrados no Egito, datando do século II, apenas uma geração após os autógrafos;

Os escritos foram redigidos num momento muito próximo aos acontecimentos que os geraram;

Existem cerca de 5400 escritos do Novo Testamento;

O estilo dos escritos confere com aqueles utilizados no século I (grego coiné)

Inscrições e gravações em paredes, pilares, moedas e outros lugares são testemunhos do Novo Testamento;

Lecionários, que eram livros muito utilizados nos cultos da Igreja, continham textos selecionados da Bíblia para leitura, incluindo o Novo Testamento (Séc. IV - VI);

Os livros apócrifos, apesar de não canônicos, apresentam dependência literária dos textos canônicos, chegando a imitá-los no conteúdo e forma literária, e citam vários livros que compõem o Novo Testamento;

Os primeiros pais da Igreja comentam e fazem citações de praticamente todo o Novo Testamento.

Vale lembrar que os Evangelhos, que inauguram o Novo Testamento e contém os ensinamentos de Jesus, o Cristo, foram escritos por testemunhas oculares, à exceção do Evangelho de Lucas.